Busca

Carregando...

domingo, 26 de fevereiro de 2006

Carbamazepina

Tive outra crise epiléptica quarta-feira (22/02/2006). Meu remédio tinha acabado domingo (19/02/2006) e ninguém tinha compro mais porque não tínhamos dinheiro nem pra pagar a consulta, muito menos para comprar o remédio. Foi até melhor ninguém ter compro porque ontem fui ao médico e ele passou só a carbamazepina, que está disponível como remédio genérico e tem até de graça no SUS. Muito melhor!!! Na fórmula manipulada que eu tomei durante três meses havia três substâncias - carbamazepina, kawa kawa e valeriana -, isso tornava o remédio 100% mais caro. Dessa vez não deu tempo de pegar o remédio no SUS porque minha consulta foi a noite e eu não podia ficar mais tempo sem o remédio, mas da próxima vez…

Gosto tanto de música que o primeiro sintoma observado em mim quando eu começo a ter uma crise epiléptica é que começo a cantar músicas com a língua enrolada. Meu irmão diz que eu canto em "latim" e minha irmã diz que durante uma crise consigo cantar as músicas de trás pra frente.

Finalmente e dois meses depois peguei as fotos que foram tiradas no dia da apresentação do nosso coral na missa de Natal. Estou apanhando para fazer o upload delas nessa carroça que tem aqui em casa, mas algumas já publiquei, confira aqui.

Resposta aos comentários:

O orgulho de estar estudando na UFG não é pela qualidade do ensino (quase todos os meus professores dão aula em particulares também), não é pela qualidade da estrutura física (nesse quesito as particulares ganham de 100 a 0). A primeira vantagem de estudar numa Federal é: não estamos pagando duas vezes pra estudar. Quem estuda em particular paga duas vezes porque, além das mensalidades caríssimas, paga os impostos que eu também pago. Eu sou muito pobre e não teria condições de estudar numa particular, nem se o curso que eu quisesse só tivesse em particular. Segunda vantagem: a galera da Federal é muito inteligente. Não falo por mim, mas pelos meus colegas. Meus colegas são muito inteligentes!!! Sou fã de todos eles. É muito bom estudar num ambiente onde só tem gente inteligente!!! Eu era deprimida no meu ensino médio porque meus colegas me invejavam e falavam de mim pelas costas por me considerarem "superdotada", mas quando eu chegei na UFG descobri que não era tão inteligente e que existiam pessoas tão ou mais inteligentes do que eu, mas cada um desenvolvendo suas habilidades específicas. Eu, por exemplo, canalizei meu QI pra informática de tal forma que sou uma péssima jornalista.

Eu já trabalhei em uma universidade particular e pude constatar que a maioria dos alunos são mesquinhos, pouco unidos, cheios de preconceitos. Também nunca vi formando da UFG (nem da área de exatas) escrevendo "colassão de gral formau" (como eu vi formandos de Direito da Universo escrevendo). Não estou dizendo que os alunos das Federais são perfeitos, mas são diferentes. Os vestibulares das Federais não são difíceis em vão, servem justamente pra isso: selecionar os melhores, não os "melhores do mundo", mas os que melhor se adequam ao perfil acadêmico. Nunca vi, por exemplo, meus/minhas colegas perdendo tempo conversando sobre a marca da roupa do fulano, nem sobre o chifre que beltrano está colocando em sicrana. Não estou generalizando os alunos das particulares nem os das federais, mas eu já trabalhei em universidade particular e pude comprovar que na média, aluno de particular é academicamente menos inteligente mesmo, doa a quem doer. E a culpa não é só do aluno, mas principalmente da péssima qualidade do ensino médio no Brasil. O ideal é que todos os alunos do Ensino Médio estivessem no mesmo patamar, de tal forma que no vestibular muitos empatassem e o critério de desempate fosse as condições financeiras dos alunos.

Mas não se engane: quem faz o curso é o aluno. Não é só porque você estuda numa Federal que você vai aproveitar 100% do curso e ser um bom profissional (veja o meu caso), nem só porque você estuda numa particular que não pode ser melhor que o melhor aluno de uma Federal que se formou para a mesma profissão que você. Fique atento às oportunidades que seu curso oferece e não se acanhe em deixar os professores perceberem que você está mais interessado que o resto da turma. Faça do seu curso o melhor, seja numa pública ou numa particular!

Posts relacionados