quinta-feira, 18 de junho de 2009

10 passos para perder sua vaga no mercado para um jornalista sem #diploma

Você é estudante de Jornalismo e acha que agora pode perder sua vaga para um jornalista sem diploma, certo? Acorde para a vida e pare de achar. Tenha certeza! Você pode perder, sim! Principalmente se seguir esses dez passos infalíveis que lascam qualquer aspirante à tão nobre ordinária profissão:

  1. Acredite que a faculdade vai ensinar tudo o que você precisa saber, sendo desnecessário buscar informações fora dela, como workshops, seminários, cursos intensivos, cursos de férias, cursos de idiomas. Tudo isso é bobagem!
  2. Seja passivo e espere tudo de seus professores: cursos, dicas de livros, vagas de estágio… tudo isso deve vir deles. Acredite que o mercado de trabalho é exatamente como seu professor concursado, que não exerce a profissão há mais de 10 anos, diz.
  3. Ache normal a sua faculdade ensinar Projeto Gráfico antes de ensinar Jornalismo Impresso, mas não ensinar Webdesign antes de Webjornalismo. Evite questionar isso e aceite tudo como está, inclusive achando plausível que aquele seu professor que nem sabe a diferença entre blog e fórum seja o titular da disciplina de Web.
  4. Coloque na cabeça que buscar cursos avançados de informática (PhotoShop, InDesign, Dreamweaver…) é totalmente desnecessário porque isso é serviço para técnicos que só têm nível médio.
  5. Recuse freelas como repórter, redator, revisor, diagramador, fotógrafo… antes de terminar a faculdade, é anti-ético. Pelo mesmo motivo, recuse também praticar a profissão fazendo trabalho voluntário para igrejas, ONGs e associações com as quais você se simpatiza.
  6. Confie na meia dúzia de vagas de estágio regulamentadas por convênios com a sua faculdade, sendo anti-ético buscar estágio fora delas. Deixe para começar a praticar no 6º ou, quem sabe, o 7º período, sempre como estagiário regular.
  7. Acredite que você será um empregado ou servidor público, ganhando sempre mais que o piso da categoria. Em nenhum período de sua vida você dependerá exclusivamente de freelas. Isso é para os fracos, portanto você está dispensado de manter-se atualizado sobre trabalho autônomo e empreendedorismo.
  8. Saiba que você está dispensado de ler livros e artigos sobre Relações Públicas, Publicidade e Propaganda e Marketing, porque você é pura e simplesmente um jornalista e o mercado de trabalho exigirá de você apenas conhecimentos em Jornalismo.
  9. Mantenha a desorganização física e mental: troque a leitura do jornal impresso por qualquer outro portal da web, ignore a importância de ter uma agenda de contatos, evite planejar o futuro, deixe para distribuir currículos depois de formado, esqueça de organizar seus horários de estudo e cursos, use suas horas de descanso para trabalhar/estudar e durma durante a aula, etc. Muita bagunça ajuda a despertar a criatividade.
  10. Se estiver precisando de dinheiro, mesmo depois de começar o curso aceite empregos fora da área de Jornalismo: atendente de telemarketing, vendedor em shopping, caixa de supermercado, recepcionista de hotel. Afinal, isso não vai atrapalhar os estudos, não vai adiar seu ingresso na área de formação e muito menos tirar você do seu foco profissional.

Ufa! Até que foi divertido. Quantas dessas mentiras você já ouviu na faculdade? Eu ouvi quase todas e o pior: pratiquei todas elas. Deve ser por isso que eu não dinheiro nem para almoçar hoje. Faça o que digo, jamais o que faço.

Humor negro para desanuviar

Eu estava escrevendo um post sobre as deficiências das escolas de Jornalismo, mas ía ficar estranho se eu publicasse aquele post primeiro sem falar da desobrigação do diploma.

A verdade é que estou me sentido o côco do cachorro do mendigo, um zero à esquerda do quinto zero à esquerda, o vômito do bêbado que dormiu pelado no ponto de ônibus, o trema no Brasil pós reforma ortográfica… Depois de três anos graduada sem conseguir emprego na minha área (só freelas muito mal remunerados), o meu único diferencial (diploma) não é mais diferencial.

Quem acompanha meu blog sabe que minha história é triste, triste e trash, muito por incompetência dos meus pais, muito por incompetência minha. Porém, incrivelmente, as pessoas estão sempre pedindo conselhos profissionais o_O. Sério! Só por eu ser feliz, inteligente e dedicada acreditam que eu também seja bem-sucedida profissionalmente e me pedem dicas como se eu fosse um exemplo a ser seguido.

Eu nem discordo, aproveito a oportunidade para ensinar, ensinar tudo que eu não fiz, é claro. Você já reparou que a maioria dos conselheiros amorosos são solteiros e/ou trocam de namorado como quem troca de roupa? Minha lógica é parecida, como profissional lascada, eu brinco de dar conselhos profissionais contando o que eu deveria ter feito, mas não fiz.

Até mais!

21 comentários:

  1. ADOREI. E copiei no meu blog: dicasparaodia-a-dia.blogspot.com Claro, com os devidos créditos...

    ResponderExcluir
  2. Valeu um post no meu blog Liso-sapiens
    Grande bjo!
    @unidadelivre

    ResponderExcluir
  3. Alessandro Martins18 de junho de 2009 19:18

    Disse tudo. Não copiei no meu blog porque é feio, muito feio. Mesmo dando os créditos.

    Mas programei um link que deve sair em breve em um post de notas.

    Só para constar o nome do meu blog é Livros e Afins. (é que não tem como colocar o link no seu sistema de comentários)

    Abraços fortes e parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Até me identifiquei com o penúltimo parágrafo. Minha história profissional é trash, mas as pessoas me veem como referência, sabe-se lá Deus por quê.

    Sucesso pra você, com ou sem diploma!

    ResponderExcluir
  5. Perfeito post. Me identifiquei completamente, porque eu fiz essas mesmas besteiras (também sou jornalista) e o pessoal ainda pede conselhos pra mim.

    ResponderExcluir
  6. @Claudia, ficou muito legal a forma como você citou o post no seu blog. Obrigada!

    @Alessandro, tem sim. Quando não puder inserir usando OpenID, insira no corpo do comentário que o Blogger aceita. :)

    @Alexandre e @Expedito, é porque vocês são felizes, inteligentes e dedicados, mas é bom poder ensinar para as pessoas o que deveríamos ter feito.

    ResponderExcluir
  7. deixa ver, essas dicas não adiantam nada...quando começarem a contratar celebridades pra posar de jornalista não vai adiantar nada estar preparado....alem do mais pagar caro por um jornalista formado pra que? se vc pode pagar pra um blogueiro que escreve direitinho fazer a mesma coisa...
    só tenho a dizer uma coisa, perdeu o diploma e fim.

    ResponderExcluir
  8. oiiiiiii gostei muito do seu blog por isso
    virei sua seguidora, quando puder
    passa no meu???
    vlw
    parabéns pelo blog
    http://fimescinep.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. @renato, blogueiro que escreve direitinho? Desculpe a sinceridade, mas sempre que eu vejo um blog com poucos erros de português (raríssimo!) eu vou na página sobre o autor e adivinha o que eu descubro! Um graduado, geralmente em Comunicação Social ou Direito, geralmente por alguma PUC ou universidade federal. Talvez seja só coincidência, né?

    Além do mais isso mostra que você não faz nem ideia de tudo o que um jornalista faz. Escrever “direitinho” é apenas a última, mais rápida e mais fácil etapa do processo. Se você realmente tem esperança de que alguém vai deixar de contratar um jornalista para contratar um blogueiro que acha que “escreve direitinho”, creio que você vai dar “com a cara no poste”, mesmo porque fazer jornalismo e blogar são atividades muito diferentes e isso eu posso dizer com tranquilidade. Quem contrata um blogueiro realmente precisa de um blogueiro e não de um jornalista.

    Na Comunicação Social, a única profissão que ainda exigia diploma era a de jornalista. Tenho algumas dezenas de colegas bacharéis em Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Propaganda e Marketing. Em todas essas profissões (nenhuma delas exige diploma para exercer) o que tem ocorrido é a conscientização de que o profissional graduado é muito melhor para as empresas, portanto é uma visão muito pessimista a de que as coisas vão “regredir” só por causa de uma decisão do STF.

    Bem se vê que você sabe muito pouco sobre jornalismo. Então saiba que para cada celebridade que posa de “jornalista”, há pelo menos cinco jornalistas de verdade trabalhando nos bastidores produzindo, escrevendo, apurando pautas, revisando, editando… Então sabemos que celebridades nunca vão, de fato, tomar vaga de jornalistas. Elas, no máximo, tomam vaga de apresentador. Não sei se você sabe, mas apresentar não é e nunca foi função exclusiva de jornalista. Quando um jornalista apresenta geralmente ele está sobrecarregado acumulando funções, mas ganhando um salário só, então, na prática, celebridade apresentando não é, nem de perto, um dos maiores problemas da categoria.

    “Perdeu o diploma”? Bem, isso não faz o menor sentido. Ninguém perdeu o diploma. Quem é graduado continua graduado. Quem é pós-graduado (meu caso), continua pós-graduado e pode dar aula para graduandos.

    Sem falar que a decisão do STF abriu para os bacharéis em Jornalismo um nicho profissional: dar cursos rápidos para jornalistas que estão com preguiça, sem dinheiro ou sem tempo de fazer graduação.

    @renato, como está claro que você está precisando de umas aulas, estamos aí, qualquer coisa é só entrar em contato.

    ResponderExcluir
  10. Helen Fernanda, meu nome eh Vanessa e sou estudante da Unesp. O q vc disse foi muito bom! Na verdade eu acredito que todos nos somos vitimas das universidades publicas e federais (cito essas pq essas eu sei qual eh a situacao). Bom, foi preciso eu viajar pra outro continente pra entender tudo isso q vc escreveu ai. Vim pra Londres no ano passado e desde entao estou fazendo um curso de Jornalismo para certificado de higher education, na Birkbeck, University of London. E aqui eu pude ver ond a Unesp erra, estou falando assim pq nao quero ofender, mas vc entendeu neh? (onde ela fode com a nossa carreira). Bom, nos cursos q eu faco aqui eu tenho que produzir pelo menos um texto por semana pra cada materia, jah no Brasil lah na Unesp pelo menos agente soh produzia texto mesmo fim de semestre e ainda em grupo rs. Tem q rir pra nao chorar neh pq eh tao obvio q um curso levado assim nao vai levar a nada. Estou fazendo uma materia aqui chamada "News on the net" e o professor sabe muito! eu nao gosto muito de internet, mas jah intendi que eu vou ter q me esforcas, mesmo pq aqui se voce fizer um trabalho de bosta vc nao ganha nota boa de jeito nenhum. Eu q sei, levei 43% pq fui preguicosa na producao do meu blog e depois eu vi q o meu blog tava uma bosta mesmo e q o professor tava certo, mas se ele naum me cobra, se ele me da uma nota boa eu nunca q ia reclamar nem evoluir nos meus conhecimentos de blog. E eh o q acontece nas universidades publicas brasileira, os professores nao sao exigentes! e vamos levando o curso achando q somos otimos, q ta td certo, q soh o fato de dizer q vem da Unesp jah garante a vaga. Pois eu acho q o mercado ta percebendo q a fama da universidade naum garante mais nada. E eh por isso q o diploma naum eh mais exigido, muita gente nao vai pra universidade, mas se esforca, le muito, pratica a escrita e etc muito mais do que akeles que estao estudando se achando com a vaga garantida qndo terminar o curso. Olha, eu vou voltar pro Brasil ano que vem pra fazer o ultimo ano do meu curso e eu to ateh com medo de esquecer tudo isso q eu to dizendo aqui e voltar a ser tapiada pelo curso. Pq eh muito dificil ler e escrever bastante se nao tem uma pessoa me cobrando sabe? mas eu vou procurar me manter lendo bastante, escrevendo toda semana, no meu blog, tentar fazer freela etc... e manter minha mente no ritimo daqui, pq se eu voltar pro ritimo da unesp, aff, ai vai ser como jogar tudo o q eu aprendi aki no lixo. Mas entao eu fico me perguntando neh qual a solucao? Na verdade eu acho q os professores nao sao exigentes e passam todo mundo. Meo, foi ridiculo o pessoal da minha sala q se formou ano passado teve tudo A na nota do TCC rs eh muito cara de pau dos professores dar A pra todo mundo! eles naum tem vergonha? sei lah o q acontece, parece q eles tem ordem pra nao ser exigente! e ai sai todo mundo da facul tudo feliz com um Azao no TCC e fica surpreendido qndo naum consegue emprego em sao paulo. Nos somos vitimas deles. Logico q agente podia nos exigir tbm, mas nos sabemos q eh complicado com tantas tentations (festas de repblica todo dia, televisao, orkut, etc) Entao, eu acho q eles nao exigentes pq a univesidade nao tem capacidade pra ficar acolhendo aluno repetente. Pq pra cada aluno q repete eh uma vaga a menos por ano q pode se abrir neh? (teoricamente eu imagino q seja assim) Se bem q nos cursos de engenharia as coisas funcinam muito bem. Os professores sao exigentes e eles reprovam mesmo. Dos 50 q comecam o curso soh uns 20 se formam. E eu me pergunto, qndo q os cursos de humanas vao copiar a exigencia da engenharia? pq eu posso parecer loka dizendo isso mas gente, acreditem, a melhor coisa eh qndo vc tira uma nota baixa, entende pq tava ruim e faz de novo. Isso eh aprender! Isso eh evoluir! Agora eu sinto q entrei na Unesp com uma redacao boa e no terceiro ano tava com uma redacao regular. Agora eu tenho esse ultimo ano pra me recuperar. E vcs q ainda nao terminaram a facul escutem o q a Helen disse pq ela ta certa e pensem tbm no q eu falei.

    ResponderExcluir
  11. ah, eu estou seguindo pelo blogger viu, se vc quiser me seguir eh bem vinda :)
    http://londonpresentsbrazil.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. @Vanessa, mesmo parecendo ser um curso “puxado” deve ser muito legal ter essa oportunidade de estudar no exterior, principalmente por causa da prática de escrever em inglês.

    Onde eu estudei (UFG) escreviamos bastante, geralmente mais de um texto por semana, mas para disciplinas diferentes. Porém, confesso que minha prática de escrita é mais antiga, já na infância escrevia para suplementos infantis de jornais e revistas, além de ter escrito milhares de cartas durante a minha adolescência.

    Por causa disso, durante o curso de Jornalismo minha dificuldade maior era reportar, escrever eu achava tranquilo.

    Realmente percebo que alguns professores cobram muito pouco da gente, então achamos que está tudo bem, só percebemos que somos ruins no mercado de trabalho. É por isso incentivo os estudantes a começarem a trabalhar na área, mesmo como freelancers, o mais cedo possível.

    Também há professores que cobram demais, mas não mostram o caminho e nos deixam um tanto quanto perdidos e às vezes até com falsas impressões sobre nossa capacidade.

    Infelizmente o problema não é exclusivo das faculdades de Jornalismo, nem das universidades públicas e muito menos da educação superior. É do ensino no Brasil como um todo, desde a pré-escola.

    Da próxima você pode usar a tecla enter para separar os parágrafos. :)

    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Helen Fernanda!!!!!!!!!!!

    Sou sua seguidora no HELEN FERNANDA e no HELEN FERNANDA PINK. Você também me adicionou no orkut e no gmail, mas nunca conversamos e também acompanho "por fora" seu Twitter rsrsrs.

    Vou comentar sobre a parte " humor negro para desnuviar".
    Nossaaa estamos passando por problemas parecidos mas em situações diferentes.
    Você tem diploma de ensino superior(no curso que eu seu fizer facu um dia, vai ser ele) eu só o do ensino médio, você escreve e sabe de computação tudo o que eu não sei rsrsrs
    Eu tenho emprego mas não tenho trabalho, você tem trabalho mas não tem emprego.
    Sem comentar sobre problemas familiares entre outros.

    Mas o que eu quero te dizer aqui é que você não está sozinha, sei que muita gente tem também seus milhões de problemas, não posso responder por eles, mas por mim digo: que estou mal com um monte de coisas em minha vida que estão acontecendo e na maioria das vezes é que não estão aocntecendo, mas o que me deixa em pé é a fé num DEUS MARAVILHOSO, creio também que você compartilha dessa mesma fé que eu.

    Não sei se isso pode te deixar mais feliz, mas saiba que EU TE ADMIRO MUUUUUITO.
    Sou sua FÃ!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Concordo plenamente com voce
    gasta-se o tempo e suas horas em salas de aula
    mais o dinheiro investido, para depois( o diploma) não ter o seu valor conhecido.
    Quem sou eu par dizer alguma coisa
    sou simples, um analfabeto diante de tantos mestrado e doudourado no jornalismo e outros
    mas busquei no blog, na web, uma maneira de expor aquilo que mais sinto, em contrapartilha posso estar ajudando ha um semlhante através de minha experiencia vivida e sentida.
    Podendo ser também um monte de lixo e de baboseiras, com erros ortograficos, com pontuação onde não existe, e onde precisa não tem....esse é o meu vocabulario de um simples mineiro caipira nascido e criado na roça.
    Quando vim a ver tal materia a ser publicado, eu mesmo me revoltei por aqueles que lutaram e depois um qualquer toma o seu lugar.
    é lamentável... o nosso país em suas discrimações, por leis feitas, por aqueles que votamos neles..

    ResponderExcluir
  15. @Cristina, muito obrigada.

    @Sérgio Sena, seja bem-vindo, volte sempre.

    ResponderExcluir
  16. ERRATA: O diploma em Relações Públicas é obrigatório para o exercicio dessa função.

    ResponderExcluir
  17. parabens! muito bom mesmo. Você escreve muito bem, muito cômico seu texto. Concordo plenamento com tudo que disse. Mas acredito que quem tem talento como você consegue algo bacana rápido rápido. Esse Brasil andando para trás desestimulando o estudo para que?

    ResponderExcluir
  18. helen, amei o texto sobre o diploma de jornalismO
    PARABÉNS

    ResponderExcluir
  19. Eu tinha a convicção de fazer jornalismo, mas depois da desobrigação de diploma pra jornalista já começo a ver se tem outras opções que se enquandram no meu perfil.

    Marco Damaceno

    ResponderExcluir
  20. Olá Helen,

    Muito interessante mesmo seu texto, parabéns!
    Na verdade dá para extrapolar um pouco da profissão de jornalista e aplicar muitas de suas dicas (ou antidicas, nem sei se está certo, risos) para muitas outras profissões.

    Um dos grandes problemas que percebi em universidades federais é de se contratar um ótimo professor na parte teórica, porém péssimo na prática. O que geralmente falo é que tais universidades procuram desenvolver pesquisadores, não trabalhadores para o mercado.

    E pode ter certeza que em breve você terá um ótimo emprego - você escreve muito bem, é atenciosa nos comentários e tem uma visão bem ampla de sua profissão.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir

Posts relacionados