Busca

Carregando...

segunda-feira, 5 de março de 2012

Chega de perfeccionismo. Que venha a perfectibilidade.

Natalie Portman em Cisne Negro

Já aconteceu várias vezes comigo. Eu vou a uma entrevista de emprego. Me perguntam meus piores defeitos. Na lista sempre coloco “perfeccionismo”. O entrevistador ri na minha cara e diz que perfeccionismo não é defeito. Eu rio na cara do entrevistador porque, se ele acha que não é defeito, é porque ele não faz a mínima ideia do real significado da palavra. Mas não digo isso a ele, pelo menos não se eu realmente estiver precisando do emprego.

É claro que a culpa não é só do entrevistador, mas também dos muitos não perfeccionistas que se autodenominam assim porque acharam a palavra bonita. A maioria das pessoas acredita que perfeccionismo é a virtude de alguém que busca a perfeição. Apesar de ser esse o senso comum, não é a verdade e muito menos a definição dos dicionários. Se você busca a perfeição em seus atos você é um ser humano normal, responsável e saudável. No fim deste post tenho um adjetivo mais adequado para você. Perfeccionismo é o transtorno de quem EXAGERA na busca pela perfeição. É um DEFEITO sim. Dos graves. Sofro (e como sofro!) de perfeccionismo e se você me perguntar o que isso significa pra mim, respondo:

Me sinto escrava da ideia de que tudo o que faço precisa ficar PERFEITO logo na primeira tentativa e sem nenhuma revisão ou observação de outra pessoa. Se não for para ficar perfeito simplesmente não merece ser feito. Caso eu não tenha aqui e agora todos os elementos necessários para que fique perfeito, é melhor não começar. O mesmo vale para tudo que é feito por pessoas da minha convivência, principalmente pessoas da minha família e colegas.

Todos os dicionários brasileiros que consultei identificam perfeccionismo como o exagero na busca pela perfeição, mas minha definição favorita é do dicionário português Priberam:

perfeccionismo (ècç ou èç)
s. m.
Tendência, patológica, em procurar exageradamente a perfeição.

Em muitos casos esse distúrbio neurótico evolui para transtorno de personalidade obsessivo-compulsiva que tem um nome “técnico” que não soa tão bonito assim: personalidade anancástica.

Há, neste transtorno da personalidade, um padrão generalizado de perfeccionismo e inflexibilidade. Trata-se da personalidade obsessivo-compulsiva e as pessoas assim se preocupam com a observância das normas, das regras, com a organização das coisas e com os detalhes do cotidiano.

Normalmente essas pessoas são escravizadas pelo simétrico, pela limpeza e pela ordem das coisas, desde a arrumação de seus pertences pessoais, como guarda-roupas, gavetas, mesas, até a organização extremamente cuidadosa de coisas relacionadas à ocupação e profissão. As pessoas portadoras do transtorno anancástico da personalidade sofrem com tudo que contraria suas próprias regras, determinações e manias, por isso são exigentes e inflexíveis consigo próprias e com os que lhes são mais próximo.

Fonte: psiqweb.med.br

O que escrevi acima foi apenas a minha explicação da palavra perfeccionismo, minha crítica à vulgarização de seu uso e minha indignação com os entrevistadores de recursos humanos que não conhecem o real sentido da palavra.

Porém, como perfeccionista que sofre com isso, desejo abandonar esse transtorno e aplicar um novo conceito em minha vida:

perfectibilidade

É apenas uma diferença de sufixo, mas que faz toda a diferença.

O termo perfeccionismo (ou perfectibilismo) nasceu de uma doutrina filosófica inglesa e por isso tem o sufixo –ismo (iluminismo, existencialismo, criacionismo…). Quando foi classificado como distúrbio neurótico o termo adotado foi perfeccionismo e continuou com esse prefixo porque ele também serve para nomes de doenças e transtornos (raquitismo, nanismo, alcoolismo, histrionismo…).

O termo perfectibilidade tem o prefixo –idade que é muito usado para substantivos abstratos, principalmente qualidades humanas. Exemplos: criatividade, habilidade, suavidade, efetividade.

Para quem duvida do poder de um sufixo, basta lembrar que homossexualismo é um termo extremamente ofensivo porque insinua que ser homossexual é uma doença. Homossexualidade é a palavra correta.

Voltando à questão da perfeição, conheça as palavras que vão aparecer com maior frequência no meu vocabulário de agora em diante.

► perfectibilidade: possibilidade de se aprimorar

No lugar do transtorno do perfeccionismo que muitas vezes me impede de sair do lugar, vou preencher minha mente com a ideia de perfectibilidade: tudo no mundo sempre pode ser aprimorado, portanto a perfeição é apenas o ideal que busco, não a minha obrigação definitiva.

► perfectível: aquilo que pode ser aperfeiçoado

Ao invés de sofrer achando que devo fazer tudo perfeito logo na primeira tentativa, vou me esforçar para fazer coisas perfectíveis. Quero me conformar com a verdade de que a perfeição é um ideal inalcançável e assim me contentar em realizar trabalhos que podem ser melhorados com o tempo, por mim ou por outras pessoas que derem continuidade a eles.

► perfectivo: que perfaz; que indica perfeição

Quero ser perfectiva, nos dois sentidos do termo:

  1. Enquanto o perfeccionista muitas vezes não termina o que começa porque está angustiado demais com a possibilidade da imperfeição, o perfectivo é aquele que perfaz, que termina.
  2. O perfeccionista perde tempo excessivo com detalhes que, além de irrelevantes para a qualidade do produto final, só ele mesmo percebe como imperfeitos. Já o perfectivo se concentra naquilo que realmente interessa e realiza um trabalho que indica perfeição aos olhos de todos.

:: Conclusões

Para quem é perfeccionista, como eu, faço o convite de mudarmos nosso pensamento, nosso vocabulário, nossos hábitos e assim, quem sabe, conseguiremos transformar nosso transtorno em virtude. Como diz um provérbio que é citado pelo menos uma vez no filme A Dama de Ferro:

Pensamentos tornam-se ações, ações tornam-se hábitos, hábitos tornam-se caráter, e nosso caráter torna-se nosso DESTINO.

Se você é uma pessoa que busca a perfeição no que faz, mas não deixa de realizar nem terminar nada só porque tem medo de que não fique perfeito logo na primeira vez, você na verdade é uma pessoa perfectiva, nos dois sentidos do termo. Parabéns! E aproveite que você sabe disso para mandar o termo perfeccionista para as cucuias.

Até mais!

Posts relacionados