Busca

Carregando...

sábado, 23 de março de 2013

Entrevista com a empresária Monica Claure da Loja Unik

Loja Unik

Quem curte Melissa e outras jellies provavelmente conhece a Loja Unik. Em junho/2004 ela foi inaugurada em Curitiba e em 2006 ganhou o Brasil pela internet.

Hoje a loja tem várias outras marcas de bolsas, bonecas, calçados e até marca própria, mas sem dúvida seu diferencial é ser uma das poucas opções para comprar Melissa nova on-line.

Só que esse negócio não existiria sem a Monica Claure, fonoaudióloga que aos 40 anos começou a viver esse sonho pioneiro, bonito, colorido e perfumado. É hora de conhecer um pouco mais da história dela.

Você vai descobrir que nem tudo é tão colorido assim. É preciso resiliência para vencer as dificuldades e continuar acreditando em seu sonho.

Em que área trabalhava antes?

Sou formada em fonoaudiologia. Trabalhei durante 18 anos em clínica, hospital e universidades em Belo Horizonte.

Qual foi sua principal motivação para começar a loja?

Em BH exercia a profissão de fonoaudióloga, com sucesso. Em 2001 morava em BH. Me divorciei e voltei para Curitiba, de onde é minha família e onde me formei. Cheguei a atuar dois anos em clínica aqui, abri empresa (na área), mas repensei minha profissão e resolvi que já estava na hora de mudar.

Após 18 anos de investimento intenso na fonoaudiologia, busquei um comércio para vender um produto que tivesse diferencial, cor e design e encontrei na marca e no conceito Melissa todas estas expectativas. Não existiam lojas Jelly nem Clube Melissa na época.

Quais foram as principais dificuldades que você encontrou no começo do negócio?

Tinha experiência com público, mas não na área financeira e compras, então acabei me influenciando pelos representantes locais da Melissa que impunham o que e quando comprar.

Você começou sozinha ou já tinha uma equipe?

Eu e uma vendedora.

Você já tinha formação na área de Administração antes de começar a loja ou foi buscando aos poucos?

Fui buscando o Sebrae que oferece ótimos cursos para quem esta começando no comércio. Depois fiz pós em Gestão do Varejo na PUC que me deu a base que eu precisava.

No começo a loja era especializada em Melissa, mas aos poucos o portfólio foi se ampliando. Isso já era previsto no começo ou foi uma evolução natural do negócio?

Evolução natural de uma loja multimarcas. A própria Melissa sugeria ter um mix de produtos variados, não depender somente deles.

Com três anos de negócio montamos a franquia da Unik, cujo conceito são calçados e acessórios de vanguarda: que estão a frente do tempo, que se diferenciam pelo design, fabricação e materiais.

A própria Melissa, que se destaca em todos esses aspectos, nos motivou a ampliar a linha de produtos. Infelizmente o projeto da franquia Unik não foi para frente, pois a Melissa estava em fase de instalação das lojas Jelly no Brasil.

Para quem já está no começo de um empreendimento, quais dicas você dá para que a pessoa não desista nas primeiras dificuldades?

A entrada no mercado não é fácil. Você vai encontrar poucos parceiros e muitos “concorrentes”. Além dos demais lojistas, as grandes instituições: grandes indústrias, bancos, operadoras de cartão, donos de imóveis, telefonia, enfim, a maioria de seus fornecedores e “parceiros comerciais”. Fazem você assinar um contrato com inúmeras cláusulas que os protegem… e só a eles.

O varejista, que fica no final da linha e em contato direto com o consumidor, assume os riscos de todas as dificuldades que encontra pela frente, fica sozinho na maioria das vezes. As grandes empresas não estão preocupadas com o parceiro lojista e nem com os consumidores, mas sim com o bolso deles.

Quais dicas você dá para quem está afim de começar um novo negócio? Por onde começar?

Responda a esta pergunta: o que te motiva a viver, fora do âmbito familiar? Aí fica fácil. Precisa ser alguma atividade que venha de dentro para fora, algo com o qual você se identifique, que seja a sua cara. Sem esta motivação você pode até ganhar dinheiro, mas a vida fica vazia… e em algum momento você vai se perguntar: o que estou fazendo aqui?… rsrsr

Sabemos que o empreeendorismo é um talento, as pessoas já nascem com ele, mas com amor e uma causa, tudo pode se transformar.

Sugiro aos leitores: amem o que fizerem, lembrem-se que o mercado não está fácil e exige dos profissionais uma boa formação na área em que atuam, proatividade, atenção, networking (boas parcerias) cuidado e contínuo replanejamento.

Monica Claure

Amei demais essa entrevista! Mostra a história de alguém que teve coragem de abrir mão de uma carreira já consolidada para realizar o desejo de empreender em uma área totalmente diferente.

A Monica não teve medo do desconhecido, foi pioneira em um ramo que amamos, acreditou no seu potencial, buscou conhecimento, encarou as adversidades e os fracassos.

Agora a Loja Unik já tem quase nove anos e continua cheia de produtos lindos que tanto cobiçamos. \o/

Monica, muito obrigada por dividir um pouco da sua experiência conosco.

Leitores, espero que tenham gostado tanto quanto eu.

Até mais!

Posts relacionados