Busca

Carregando...

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Meus hábitos contra o consumismo

Na minha luta diária contra o colecionismo e o consumismo, além de muita força de vontade preciso manter alguns hábitos que me ajudam a lembrar do propósito. Alguns deles podem servir para outras pessoas que enfrentam a mesma compulsão.

Se você não acompanha o blog, não tem problema, vou tentar resumir o caso. Eu tenho uma tendência estúpida a acumular determinadas coisas como calçados, relógios e perfumes, só para citar três exemplos. Como não sou rica, aumentar a coleção de qualquer coisa me impede de adquirir itens que ainda não tenho e dos quais realmente preciso. Comprar mais um perfume importado de R$ 300, por exemplo, me impede de comprar uma batedeira, algo que faz bastante falta desde que me descobri "boleira de caixinha".

A força de vontade é realmente o pré-requisito mais importante porque várias vezes por mês tenho que desistir de comprar um produto que me dá prazer imediato, mas que vai ser apenas mais um quando se juntar aos "semelhantes", por uma compra chata, mas que realmente fará diferença na minha rotina e aumentará a minha qualidade de vida por muito tempo.

Alguns hábitos me ajudam a exercitar esse autocontrole:

⁂ Faça listas de desejos - wish lists

Já falei sobre isso no post Use mais listas de compras, mas aqui vou retomar o assunto com outro foco.

Anote as coisas que você ainda não tem, mas das quais você precisa, e olhe essa lista diariamente. Essa primeira parte do método costuma ser bastante prazerosa.

Comigo o que funciona melhor é papel e caneta. Eu tenho um bloco de notas onde anoto todas as minhas listas de compras: drogaria, supermercado, pet shop, papelaria. Uma das listas eu chamo de compra única porque são coisas que não precisarei adquirir todo mês. Nessa lista também anoto consertos e documentos que preciso fazer.

Como esse bloco fica na mesa onde faço minhas refeições, todo dia de manhã olho essas listas enquanto tomo café da manhã. Estou sempre adicionando itens, retirando, substituindo. Apesar de ser uma lista de papel, ela é dinâmica e muda o tempo todo.

Nessa mesma lista de compra única anoto também os preços, mesmo que aproximados. Isso também me ajuda bastante porque se eu receber algum dinheiro fora de época, já sei qual produto necessário posso adquirir.

A ideia é comprar todo mês pelo menos um item da lista. Os que são mais caros podem valer por vários meses.

Quando me pego quase comprando algo que já tenho, olho o preço e me lembro quais produtos da lista têm valor aproximado. Desisto na hora da primeira compra e, se possível, já compro logo o item do qual estou precisando mesmo.

⁂ Pergunte-se o tempo todo: preciso disso?

Para não comprar coisas repetidas ou mesmo inúteis, estou sempre me perguntando: preciso disso? Não importa se estou comprando alface, leite, perfume, roupa, chocolate, sabonete, relógio… Essa pergunta já me ajudou a evitar várias aquisições desnecessárias.

De vez em quando quase me deixo seduzir por uma embalagem nova, um desconto, uma edição limitada, um produto que vai ser descontinuado, um brinde e outras ciladas que as empresas preparam exatamente para tirar dinheiro dos consumidores desatentos. Quando faço a pergunta e a resposta é não, desisto na hora e percebo que quase fiz papel de otária. Quase!

⁂ Priorize

Quanto mais importante for o item do qual você precisa, mais fácil fica evitar as compras feitas apenas por compulsão ou prazer imediato. Mas é claro que só você pode decidir o que é prioridade.

Teoricamente, um produto que vai livrar você de algum incômodo deve ser adquirido antes de algo que vai apenas propiciar mais prazer.

Se eu tivesse que escolher hoje entre um climatizador de ar e a cobiçada batedeira, por exemplo, eu escolheria o climatizador. Isso porque daqui a alguns meses começa o clima seco aqui em Goiás e, como todo ano, vai ser difícil até respirar. A batedeira ficaria para outro momento, quando eu já estivesse respirando melhor.

Outra regra que sugiro é priorizar consertos em relação a compras.

  • O que já está estragado pode piorar e ficar totalmente inservível, obrigando você a comprar um produto novo.
  • Se o estrago impede o uso do produto, você está deixando de usar algo que já tem, o que é um desperdício de tempo, de dinheiro e da matéria-prima usada no produto.

Cuidado! Priorizar demais também pode levar você a empurrar algumas coisas com a barriga por muito tempo. Há dez anos, por exemplo, eu prometo que no ano seguinte vou entrar na autoescola para aprender a dirigir e tirar CNH. Como sempre tenho 1001 coisas mais urgentes para comprar/pagar, não pretendo comprar carro e nenhum familiar próximo de Goiânia tem carro, continuo adiando.

⁂ Não faça sua lista olhando para os outros

Nem sempre o que você não tem é necessário, mesmo que todo mundo tenha.

Vivo muito bem sem microondas, sem liquidificador, sem secador de cabelo, sem chapinha, sem smartphone, sem tablet, sem laptop, sem freezer, sem sofá, sem CNH (como já contei acima). Não é porque todo mundo tem que me sinto obrigada a comprar também. Há tantas coisas das quais eu realmente sinto falta que não faz o menor sentido gastar dinheiro com produtos que não me apetecem.

Ao fazer a sua lista, só interessam as suas necessidades reais e da sua família. Lembre-se que se preocupar com status não tem nada a ver com consumo consciente. Na verdade é um dos antônimos.


Boa parte do texto está em primeira pessoa porque contei as minhas experiências. Isto não é um guia nem um manual. Estou apenas compartilhando o que tem funcionado comigo. Fique à vontade para fazer o mesmo.

Leia também:

Até mais!

Posts relacionados