Busca

Carregando...

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Minha experiência com o Aprova Concursos

Ontem um leitor do blog me pediu no Google Plus indicação de videoaulas on-line para concurso público. Me lembrei então que já faz quase três semanas que fiz o concurso do TCE-GO e ainda não fiz a resenha sobre o cursinho pago que fiz desta vez.

Não passei no concurso, fiquei em 163º lugar, sendo que para o meu cargo só 50 serão convocados para fazer redação. Mas eu garanto que se tivesse ficado em 50º ou até mesmo em 1º, minha avaliação do cursinho ainda seria negativa. Vocês vão entender o porquê.

Por que não recomendo o Aprova Concursos?

1. Atrasaram o curso em uma semana e não se desculparam

Quando fiz a matrícula, a data de início divulgada era 15/09/2014, data que até hoje aparece para o aluno que está logado na página do curso:

Acessei o site no dia D para começar o curso e nada. Clicava F5, nada. Entrei em contato com o Aprova e me avisaram que a data de início era 22/09/2014:

Observem que não disseram "a data de início mudou" e muito menos pediram desculpas pelo atraso de 7 dias, que para um concursando é enorme. Responderam como se eu tivesse confundido, sendo que o próprio site do aluno mostra (até hoje) a data de 15/09/2014.

Fiquei muito fula com tudo isso. Já tinha organizado todos os meus horário de estudos e, principalmente, já estava psicologicamente preparada e motivada para começar o curso naquele dia. Foi uma decepção enorme.

2. Não começam o curso com todas as disciplinas disponíveis

Esses cursinhos on-line sempre vendem a ideia de que você pode assistir as aulas na ordem que quiser, quando quiser, quantas vezes quiser. Mas, pelo menos no Aprova, isso é balela. Quando o curso finalmente começou, poucas matérias já tinham aulas disponíveis. Se eu quisesse começar meu curso assistindo controle externo e lei complementar 101/2000, por exemplo, ia ficar só na vontade porque os primeiros vídeos dessas matérias só apareceram no finalzinho do curso.

3. Liberaram matérias importantes na última semana antes da prova

Entendo que é difícil montar um curso depois que sai o edital quando faltam poucos meses para a prova, mas creio que eles deveriam ter se esforçado mais nisso, já que o edital saiu dia 20 de agosto e a Fundação Carlos Chagas é conhecida, então não tinha no edital nenhum item estranho para os professores dos cursinhos.

Demoraram tanto que na última semana não pude rever nada, já que sequer consegui assistir pela primeira vez todas as aulas que foram liberadas na semana: as de lei complementar 101, legislação goiana, controle externo e também as últimas aulas de várias outras matérias que ainda não estavam completas.

4. Contrataram péssima professora para português

A professorinha (iniciais LC) que deu as aulas de português, matéria importantíssima em qualquer concurso público, era bastante amadora e errava muito. Ensinava tanta coisa errada que quando ela ensinava algo correto, eu ficava em dúvida. Será? E quando ela também tentava ensinar macetes, eram horríveis, mal elaborados e não funcionavam na maioria dos casos da regra que ela estava tentando ensinar.

Ela também era chata e excessivamente repetitiva, como se todos os alunos fossem crianças de 4 anos com hiperatividade ou adultos retardados. Juro que não reclamaria da chatice se ela fosse boa professora, porque aí seria só um detalhe que concursando aguenta fácil. Mas como ainda não é boa no que faz, um defeito potencializa o outro.

5. Legislação goiana foi só leitura mal comentada

Para falar que tinha cumprido todas as disciplinas do edital, alguns dias antes da prova postaram vídeos com um professor lendo as leis: regimento interno do TCE-GO, lei orgânica do TCE-GO e o estatuto do servidor público de Goiás. Mas é claro que ele não tinha tempo de ler tudo, então escolheu alguns artigos e comentou. Até aí tudo bem. Leituras comentadas são legais quando o professor domina o assunto e pode realmente nos ajudar a compreender a intenção do legislador.

Mas essa leitura comentada não foi legal assim porque o professor deu a impressão de estar lendo pela primeira vez cada lei. Às vezes ele lia mais de uma vez o inciso, parágrafo ou artigo e ficava bem claro que ele não estava repetindo para o aluno, mas sim para ele conseguir interpretar primeiro antes de comentar alguma coisa. Foi sofrível!

O Aprova tem professores em vários Estados do Brasil, poderiam ter contratado algum professor daqui para lecionar essas matérias. #fail

Do que gostei no Aprova Concursos?

1. Consegui assistir as videoaulas no tablet. Realmente amei isso!

2. As apostilas em pdf ajudam bastante a acompanhar a aula sem ficar perdido na explicação do professor. Gostei.

3. Exceto a tia de português, o corpo docente é ótimo. Gostei até do professor que foi castigado com a leitura comentada, improvisou bem e aproveitou o conhecimento dele de legislação federal para fazer comparações com as leis estaduais.

4. O conteúdo é excelente. Os professores realmente seguem o edital e ensinam tudo que está escrito e também o que está implícito.

5. Gostei muito de todas as disciplinas, mas vale destacar que o conteúdo da área de Administração do Aprova é o melhor que já acessei até hoje e me fez gostar das matérias de gestão.

Considerações finais

Apesar do conteúdo ser bom, todos os problemas supracitados gritam bem mais alto e eu não tenho mais coragem de gastar uma fortuna (tudo o que sobrou do meu 13º salário depois que paguei as contas atrasadas) com outro curso do Aprova. Poucas coisas são tão desagradáveis pra mim como me sentir enganada, lesada e mal atendida.

Mas para quem ainda vai se arriscar, desejo boa sorte. E sabendo de tudo isso que passei, tenho certeza de que você vai ficar bem mais atento para cobrar da empresa pontualidade e organização.

Quase fui ao Procon reclamar de todos os problemas do Aprova, mas naquela época estava 40º C aqui em Goiânia, umidade do ar de 15% e, como moro longe do Procon e o ônibus para lá está sempre lotado, achei bem mais saudável e sensato ficar em casa estudando com o ventilador no rumo da cara e uma toalha molhada enrolada na nuca.

Boa sorte!

Foto: What Next?

Posts relacionados