Busca

Carregando...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Perfume Tuberosa do Egito, Phebo

Tuberosa do Egito - sem flash

Notaram que este mês eu sou #aloucaporphebo? Vou aproveitar a empolgação para escrever também sobre esse floral anacrônico que faz parte da linha Mediterrâneo.

Essa é a descrição na caixa do produto:

Desta flor de forte personalidade e múltiplas facetas, retira-se o mais poderoso óleo perfumado, usado como afrodisíaco. Cleópatra, última rainha do Egito, utilizava seus rituais perfumados como "arte da sedução", misturando flores, bálsamos e especiarias para criar verdadeiras poções do amor.

Embora seja um grande desafio para qualquer perfumista capturar seu odor único, tem inspirado inúmeras fragrâncias sofisticadas através dos séculos, nos transportando para um lindo passeio nas margens do rio Nilo.

Pirâmide olfativa oficial, conforme a caixa do produto:

  • Notas de topo: mandarina, buquê transparente (?), bergamota.
  • Notas do meio: rosa, jasmim, tuberosa, sampaquita.
  • Notas de base: âmbar, almíscar, patchuli.
Tuberosa do Egito - detalhe da caixa

O frasco de Tuberosa do Egito não tem spray, então já aviso que, se você passar com o dedo, sente muito pouco das notas cítricas iniciais.

Mas, com ou sem as frutas, desde o início a colônia revela um caráter retrô que me remete a cheiro de:

  • batom barato;
  • cremes Neutrox e Yamasterol;
  • notas de corpo de Leite de Colônia;
  • notas de fundo de Leite de Rosas.

Década de 80, é você? Tuberosa do Egito tem cheiro de penteadeira, mas não a da minha avó. É o cheiro da penteadeira dos meus pais quando eu tinha menos de 5 anos. Eles tinham todos esses produtos e mais alguns com aromas parecidos. Mas lembrando bem, é o cheiro da casa inteira onde a gente morava, um pequeno barracão alugado menor que todas as casas e apartamentos onde já morei sozinha.

Não consigo notar muita evolução na fragrância. Ela é floral bouquet do início ao fim com pequenas variações ao longo do tempo. O patchuli da base aparece desde o início. O cheiro cítrico das primeiras notas, por exemplo, vai embora em poucos segundos, mas as frutas continuam em uma versão mais cremosa, menos líquida.

Tem muita espécie de flor nesse perfume que não foi citada na pirâmide, mas as três que reconheço, rosa, jasmim e tuberosa, estão em uma versão bastante oitentista que remete fácil a cheiro de maquiagem. Não sei que cheiro tem a flor sampaquita, fiquei curiosa.

Na base percebo o mesmo que senti nas notas iniciais - batom barato, creme amarelo para cabelo, leite desodorante. Só muda mesmo a intensidade.

Será que o Egito da época de Cleópatra tinha esse cheiro? Vai saber… Na impossibilidade de voltar alguns anos antes de Cristo, publicitários e profissionais de marketing têm liberdade para dizer que sim.

Tuberosa do Egito - com flash

Não sei se é por falta de spray ou de projeção mesmo, mas essas colônias da linha Meditarrâneo são do tipo que a gente sente necessidade de usar como água de banho, esfregando em todo o corpo: pescoço, braços, barriga, pernas.

Usando em apenas uma parte do corpo, a fixação foi de 3 horas, como água de banho ela durou mais do que o dobro: 7 horas. Provavelmente porque uma boa parte entrou em contato com a roupa e isso grudou mais a fragrância.

E usando como água de banho também deixa de ser uma fragrância à flor da pele e passa a ter projeção e rastro moderados: não invade, mas também não passa despercebida.

Tuberosa do Egito me lembra uma determinada fragrância da marca Água de Cheiro. Ou seria L'acqua di Fiori? Se um dia eu recordar qual é, atualizo o post.

A colônias da linha Mediterrâneo são vendidas em frascões de 200 mL por R$ 33,00 cada. Você encontra esses produtos na loja virtual da Phebo e nas Pharmácias Granado.

Bom cheiro!

Posts relacionados