Busca

Carregando...

domingo, 11 de janeiro de 2015

▶ TV digital e HDTV na parabólica

Atualizado dia 30/03/2015.
Não sou antenista, técnica nem engenheira, mas vou contar aqui o que eu já descobri como entusiasta da parabólica e da HDTV.

A TV parabólica é muito associada a cidades pequenas e à zona rural, mas em capitais onde poucos canais abertos estão disponíveis, ela é bastante usada por famílias que querem ampliar as alternativas sem pagar mensalidade.

Aqui em Goiânia, é muito comum ver essa grande antena instalada em bairros residenciais de classes C e D, já que ela é necessária para quem não tem assinatura e quer canais abertos como Rede TV*, Mundo Maior, TV Gazeta, CNT, NBR, Futura, Canal Saúde, Canção Nova* e também para quem quer toda a programação de rede de canais cujas afiliadas colocam muita programação local.

* Teoricamente esses dois canais já são retransmitidos aqui, mas ainda são analógicos e na maioria dos bairros a imagem é muito ruim.

E com a chegada TV digital, é normal quem tem parabólica - seja na cidade ou no campo - ficar com dúvidas sobre como vai funcionar a antena. Neste post vou tentar responder às questões mais básicas, principalmente aquelas de quem não sabe ainda o que precisa comprar.

✧ Definições

Vão chegar a este post várias pessoas que ainda não tinham parado para ler sobre TV digital, então vou dar algumas definições resumidas para que todos possam compreender o que vem a seguir:

  • HD é a sigla para high definition, que significa alta definição;
  • SD é a sigla para standard definition, que significa definição padrão, mas no Brasil costumamos chamar de baixa definição mesmo;
  • todo canal HD é digital, mas nem todo canal digital já é HD;
  • vários canais digitais no Brasil ainda transmitem programação em SD;
  • mesmo sem HD, um canal digital já é bem mais agradável de assistir do que um canal analógico porque a imagem fica estável, sem chuviscos, sem fantasmas, etc.

✧ Troca de equipamentos: LNBF e receptor

Para uma introdução ao assunto, sugiro um vídeo da Rede Vida que explica de forma resumida que é necessário trocar o receptor, se ele for analógico:

Mas a verdade é que, em parabólicas antigas, será necessário também trocar o LNB por um LNBF compatível com a tecnologia digital, como mostra esse vídeo do Naldoli:

Por mais que existam tutoriais em vídeo na internet, é preciso ter algum conhecimento e bastante habilidade manual para fazer esse tipo de troca, então para a maioria de nós o mais recomendado é chamar um antenista que tenha experiência em instalação e manutenção de parabólicas.

✧ Nem todo receptor digital é HD

Quanto ao receptor da parabólica, é importante destacar que nem todo digital é HD. Se você já tem um aparelho HDTV, o ideal é comprar o receptor HD, caso contrário você terá a mesma qualidade de imagem de quem tem TV de tubo, o que não faz muito sentido. Se você já investiu em um televisor novo, providencie logo o kit completo para aproveitar ao máximo.

Você vai entender melhor quando eu contar o que aconteceu comigo. Há algum tempo instalei uma parabólica na casa da minha mãe. Como ela tinha TV de tubo e nenhuma perspectiva de comprar uma nova, não me preocupei se o receptor era compatível com HD, escolhi um receptor digital simples e bastante popular, que é esse TVFree da Cromus:

E observe como é a parte de trás do receptor sem HD: ele não tem saída HDMI, só RCA (vermelho, branco, amarelo):

Só que em dezembro tive a sorte de ganhar um televisor HD. Como eu já tinha um, levei o presente para a casa da minha mãe. Ao trocar o televisor de tubo pelo novo, logo notamos a grande melhoria de qualidade com a antena terrestre. Mas na parabólica, os canais HD continuaram com a mesma qualidade que a gente conseguia assistir na TV de tubo, isso por causa da limitação do receptor.

✧ O receptor correto para HDTV

Existem dezenas de modelos de receptor HD no mercado, alguns têm diversas saídas: USB, lan (para cabo de modem) e slots para cartões de memória, mas o que realmente faz dele HD é a saída para um cabo HDMI: é por meio dele que sua TV vai receber a imagem do canal em alta qualidade:

Observe que esse receptor acima tem tanto a saída HDMI como a saída RCA, que é para aquele cabo com pinos coloridos:

Use essas saídas RCA somente para pegar canais analógicos - que porventura ainda estejam disponíveis no satélite - ou para usar um televisor analógico.

Para pegar os canais digitais em um televisor HD, use o cabo HDMI, assim terá imagens em alta definição:

✧ Canais que exigem receptores com tecnologia específica

Há ainda canais que exigem receptores específicos, como é o caso da TV Cultura HD (+ Univesp TV e Multicultura), no satélite Intelsat 11, que só funciona com receptor DVB-S2-HD:

E alguns canais regionais da Globo, no satélite StarOne C2, precisam de receptor compatível com o sistema TVDR (TV Digital Rural), também chamado de Sat HD. Cada receptor, por sua vez, vai exigir ativação on-line ou instalação de geolocalizador (GLU).

Nesse vídeo do Alex Benfica ele mostra uma antena parabólica que tem dois LNBF (para pegar dois satélites) e também um GLU para pegar a Globo Minas:

✧ Resumo

Para ver HDTV na parabólica, é preciso que todos os requisitos sejam cumpridos:

  1. Canal via satélite transmitindo em HD. Se quiser saber quais são essas emissoras, o Portal BSD tem as listas de canais dos satélites, sendo StarOne C2 e StarOne C3 os mais apontados no Brasil.
  2. Antena parabólica devidamente instalada e apontada para o satélite correto.
  3. LNBF da antena compatível com a tecnologia digital.
  4. Receptor digital HD, lembrando que alguns canais pedem tecnologia mais específica.
  5. Televisor HDTV, ou seja, com conversor digital integrado e entrada HDMI.
  6. Receptor HD e televisor HD conectados entre si pelo cabo HDMI.

✧ Saiba mais

Link externos deste post:

Outros posts deste blog sobre tv digital e HDTV:

Para quem quer dicas técnicas sobre tv digital na parabólica, recomendo também:

Até mais!

Posts relacionados